Para agradar petistas e ser vice de Lula, Renan faz discurso tresloucado na CPI

0
1462
Foto: Agência Senado.

Quem ligou a TV Senado na sessão da CPI da COVID na manhã desta terça-feira (25/05) deve ter ficado confuso quando o relator Renan Calheiros (MDB-AL) foi convidado a iniciar os questionamentos à depoente, Mayra Pinheiro.

Após os cumprimentos protocolares, Renan começou a divagar sobre o julgamento de Nuremberg, no qual os próceres do nazismo foram julgados, sem entrar na colheita do depoimento.

No meio de sua preleção tresloucada, alguns senadores protestaram com veemência contra a fala desconexa com o objeto da CPI.

Renan Calheiros é um político experiente e não é louco como seu discurso na manhã desta terça-feira sugeriu. O gesto tinha endereço e pretendeu agradar às falanges do petismo onde discursos sem conexão com a realidade encontram grande receptividade.

O coronel das Alagoas está obstinado pela meta de ser vice na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), caso o ex-presidente seja candidato em 2022. Renan e Lula são velhos amigos e aliados, mas o nome de Renan ainda encontra alguma resistência no petismo.

Renan está disposto a pagar qualquer preço para conquistar a simpatia dos petistas e disputar a eleição na chapa lulista. Até o preço de ser ridículo.

PROTESTOS CONTRA USO POLÍTICO DO HOLOCAUSTO

Entidade judaica repudiou o uso político que Renan Calheiros fez do holocausto e emitiu nota.

A CONIB (Confederação Israelita do Brasil) afirmou que a fala de Renan é uma comparação  “completamente indevida do momento atual com os trágicos episódios do nazismo que culminaram no extermínio de 6 milhões de judeus no Holocausto. Essas comparações, muitas vezes com fins políticos, são um desrespeito à memória das vítimas do Holocausto e de seus descendentes.”

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here